Arquivo de tag para o infinito e além!

porMelissa de Sá

Ballet depois dos 20 anos – Parte 4: Festivais

A melhor parte do ballet é dançar ballet, mas isso é algo que, paradoxalmente, fazemos pouco. Okay, algumas sequências no centro podem ter aquele feeling de dança dependendo do professor, mas é quando nos preparamos para os festivais de fim de ano que realmente dançamos.

E essa é a parte mais feliz e mais tensa de todas.

Porque nos palcos somos todas divas.

E nós, bailarinas depois dos 20 anos, temos lá nossos desafios nessa hora. Entre decorar a coreografia, pagar figurino caro e morrer de rir nos ensaios, está aquela apreensão de dançar num palco. Ler mais

porMelissa de Sá

Ballet depois dos 20 anos – Parte III: A primeira vez nas pontas

Desde meu último post sobre minha experiência no ballet clássico (vocês podem ler aqui), muita coisa aconteceu. Aprendi novos passos, memorizei uma sequência de barra (oh yeah!), machuquei a perna direita (que ainda está em recuperação), fiz uma pequena sequência no centro sem parecer uma jaca podre, fiz uma aula aberta (e meu marido estava lá) e entrei na ponta!

Não adianta negar, todo mundo se empolga quando entra na ponta. Agora resta contar a vocês como foi. Ler mais

porMelissa de Sá

Ballet depois dos 20 anos – Parte II

Cinco meses atrás, eu fiz este post contando como foi recomeçar no ballet clássico depois de uma década. Falei um pouco das dificuldades que nos impedem de começar e do preconceito que algumas pessoas têm. Agora, quando essa minha empreitada de dançar está prestes a completar um ano, decidi que é tempo de listar as maiores dificuldades que alguém nessa faixa etária tem quando começa a fazer ballet e como lidar com tudo isso…

E não desanimar! Ler mais

porMelissa de Sá

Ballet depois dos 20 anos – Parte I

Ballet. Tutus. Sapatilhas. Saltos. Um mundo que cria um certo fascínio nas pessoas. Uma aura distante. O ballet parece estar a milhas de distância de nós meros mortais.

Só que não.

Foi o que eu descobri nesses últimos meses quando decidi que já passava da hora de voltar a usar sapatilhas.

Depois de mais de 10 anos sem dançar absolutamente nada (movimentar os ombros numa boate não conta como dança), voltar pro ballet se mostrou não apenas um desafio pessoal mas também uma ótima maneira de manter a forma, aumentar a concentração e buscar um contato maior com a arte. Os desafios pra quem começa ballet depois dos 2o anos não são poucos, mas não são tão instransponíveis assim. Ler mais

%d blogueiros gostam disto: