Arquivo de tag música

porMelissa de Sá

Born to be a Runaways fan – The Runaways fan tribute

This post has an English and a Portuguese version / Esse post tem uma versão em inglês e em português.

Next month Main Records is going to release Take it or Leave It: A Tribute to the Original Queens of Noise: The Runaways. The 2-dics album features 36 tracks performed by many bands including an “American Nights” version featuring Cherie Currie herself and a last recording by Sandy West. Click here for more information about the album. The setlist:


  1. Queens of Noise (The Donnas)
  2. Black Leather (Shonen Knife)
  3. I Love Playin’ With Fire (The Binges)
  4. Heartbeat (Bebe Buell Band)
  5. Lovers (Deena & The Laughing Boys)
  6. California Paradise (Frankenstein 3000)
  7. Wasted (Delirium Tremens)
  8.  Wild Thing (Richie Scarlet)
  9. Neon Angels On The Road To Ruin (Blue Fox)
  10. Is It Day Or Night (The Easy Outs featuring The Doughboys Gar Francis)
  11. Little Lost Girls (Laura Warshauer)
  12. C’mon (White Flag)
  13. You’re Too Possessive (Cali Giraffes featuring The Fastback’s Kim Warnick)
  14. You Drive Me Wild (Tara Elliott & The Red Velvets)
  15. Thunder (Planet Sorrow)
  16. Yesterday’s Kids (Robbie Rist)
  17. Little Sister (Serpenteens)
  18. School Days (The Adolescents)
  19. Dirty Magazines (Blue Fox featuring Sandy West)
  20. Cherry Bomb (The Dandy Warhols)
  21. Hollywood (Richard Barone)
  22. Saturday Night Special (Care Bears On Fire featuring Earl Slick)
  23. Gotta Get Out Tonight (Derwood Andrews)
  24. Blackmail (David Johansen)
  25. Trash Can Murders (The Ribeye Brothers)
  26. Rock N’ Roll (Digger Phelps)
  27. Born To Be Bad (Toilet Boys)
  28. Midnight Music (The Swales)
  29. American Nights (Frankenstein 3000 featuring Cherie Currie)
  30. I Wanna Be Where The Boys Are (F-13)
  31. Gettin’ Hot (The Stay At Homes)
  32. Fantasies (Kittie)
  33. Waitin’ For The Night (Starz)
  34. Secrets (Jack Brag)
  35. Don’t Go Away (Clinical Trials)
  36. Dead End Justice (Kathleen Hanna, Peaches & Ad-Rock)

http://www.kikaxemusic.com/news/covered/item/3638-all-star-tribute-to-the-runaways-coming-in-june-full-tracklisting-and-participating-artists-revealed

After seeing this tribute to the band, I´ve decided to launch a fan tribute myself. It´s a project called Born to be a Runaways Fan.

The idea is that we – the Runaways fans – do something in order to celebrate the band. And it can be done in many ways. You can post something about them on your Facebook Profile or your blog; you can comment on a song lyrics; you can post a photo; you can post a video on Youtube; you can record yourself singing something; you can dance; you can tell your story about the first time you listened to the band; you can talk about how much your friends just don´t understand why you´re so fucking in love with the band; you can do whatever you want to express you´re a Runaways fan. All you have to do is use the banner and spread the news to Runaways fans. Feel free!

Let´s rock!

Clique  para ler a versão desse post em português. Ler mais

porMelissa de Sá

O que é a verdade, o que é ser mulher e o que isso tudo tem a ver com The Runaways

Então, vamos começar do começo. E esse começo vem de uma idéia antiga para um post complicado sobre essa questão básica de “O que significa ser mulher? O que é expressar feminilidade?”. É o tipo de pergunta que não tem uma resposta pronta, direta. É o tipo de coisa que a gente pode divagar, discutir, pensar junto. Acredito que não possa ser respondido. E isso só daria um post – dando continuidade ao post da Sandy – enorme . Enorme mas talvez que as pessoas não fossem achar interessante porque seria longo e meio repetitivo. O que me leva à questão da verdade, que até comecei a questionar no post sobre o Carnaval, mas que também daria uma discussão longa e repetitiva. Me veio então a idéia de outro post sobre The Runaways que também seria longo e cansativo. A solução? Juntar os três temas numa coisa só. Ler mais

porMelissa de Sá

Resenha de Filme: The Runaways

Esse é um post sobre o filme. Se você estiver interessado na história da banda, clique aqui.

Os comentários em vermelho foram feitos depois que pesquisei melhor sobre a banda.

The Runaways é a celebrada primeira banda de rock formada só por garotas da década de 70.  Se você acha que não conhece, digita no youtube “Cherry Bomb” e vai perceber que sim, você já ouviu isso em algum lugar. Até porque a líder da banda era ninguém menos que Joan Jett (de “I love Rock and Roll”). Ano passado, a história desse bando de meninas de 15 anos (sim, 15 anos!) rebeldes e surtadas virou filme estrelando Kristen Stewart e Dakota Fanning, como Joan Jett e Cherrie Currie, respectivamente.

A premissa do filme é boa no início. Imagine o ano de 1975 com todo o punk rock, glam rock, caras vestidos de mulher, curtição, início da disco music. Agora imagine uma menina de 15 anos que quer ser roqueira. Imagine que essa menina veste roupas de homem, anda como homem, fala como homem, até faz xixi como homem! Agora imagina que essa menina fica de fora das bandas de rock simplesmente porque é menina. Porque com toda liberação sexual dos anos 60, mulheres no rock ainda era tabu. Simplesmente porque mulher é groupie, não é da banda. Ler mais

porMelissa de Sá

Show Rush no Rio 2010

Rush é uma daquelas bandas que pouca gente conhece. Não que seja uma banda ruim, mas porque é uma banda da década de 70 com músicas de mais de 9 minutos. Enfim.

Sou fã de Rush desde os meus 12 anos, apesar de a minha mãe dizer que sou fã desde que era um feto. Quando ela estava grávida de 6 meses, meus pais fizeram uma viagem à praia e ouviram Rush, Grace Under Pressure durante todo o caminho e eu ficava mexendo na barriga. Já meu pai diz que sou fã de Rush desde que eu tinha uns quatro anos: ele conta que eu então sabia cantar todas as músicas de Power Windows (claro que balbuciando tudo).

Mas vamos dizer que fui uma fã consciente aos 12 anos. Meu pai deixou um CD do Retrospective Rush 1974-1980 por perto e disse “É legal”. Na época eu tinha um discman (olha que coisa arcaica) e resolvi ouvir o disco. Eu adorei! Escutava o dia inteiro e elegi minha música favorita (que é essa até hoje), The Trees, do álbum Hemispheres. Claro que ninguém da minha idade ouvia Rush, então eu pesquisei tudo sozinha. Acabei achando um site ótimo chamado Test4Echo e peguei todas as letras. Meu pai baixou os albuns na internet (porque ele tinha a maioria em LP!) e isso na época em que só existia net discada.

Foi assim que fiquei fã de Rush. Foi assim que aprendi inglês também. Porque eu traduzia todas as músicas e olha que as letras do Rush não são fáceis!

Quando o Rush veio ao Brasil pela primeira vez em 2002 eu não tinha grana pra ir. Comprei o DVD histórico Rush in Rio e fiquei vidrada. Sensacional! E oito anos depois tenho a chance incrível de ir à turnê Time Machine para assistir um show incrível na Praça da Apoteose no Rio de Janeiro!

Eles são incríveis ao vivo! Sério. Nem parece que eles têm 60 anos. Todos parecem tão saudáveis e enérgicos… Eles são engraçados e alto astral, não dá pra acreditar. E são músicos fora de série. Meu Deus, o Geddy Lee é ainda mais sensacional ao vivo. Como ele consegue fazer aquilo tudo no baixo e ainda fazer parecer fácil?

Fiquei na arquibanca e consegui ver tudo de um ângulo incrível. É uma pena que não levei a máquina fotográfica. O show é super produzido. Três telões gigantes mostram o show e alguns clipes super legais com imagens relacionadas às músicas, fogos de artifício explodem, vapor sai da miniatura de Time Machine no palco, uma estrutura de metal se mexe e lança luzes… E no início do show, um vídeo feito pelos integrantes mostrando a banda Rash zoando grandes hits do Rush fez todo mundo rir até… Eu já disse que eles são super engraçados?

Nem sei se consigo descrever o que esse show representou pra mim. Só sei que cantei todas as músicas até perder a voz. Fiquei completamente extasiada. E o show tem 3 horas de duração? Quem faz um show assim? E a sensação que você tem é que eles realmente estão se divertindo. Que para eles aquilo é o melhor momento de todos.

O show começou com The Spirit of the Radio. A galera delirou e cantou junto.

Begin the day with a friendly voice – a companion unobstrusive

Play that song that is so elusive and the magic music makes your morning mood

O início do setlist para mim foi a melhor parte do show. Em sequência veio Time Stand Still (que dá pra fazer chorar), Presto e Stick it Out. Na sequência uma música nova (que não curti muito) e a instrumental Leave That Thing Alone. Depois mais duas músicas novas e pra fechar a primeira parte do show vieram Freewill, Marathon e Subdivisions (as três me deixando maluca de tanto pular e cantar).

O intervalo foi de vinte minutos e uma projeção no telão ficava mostrando a Time Machine avançando nos anos e todo mundo ficou super ansioso por saber o que viria a seguir: a execução completa do album Moving Pictures que nesse ano completa 30 anos. Quando o indicador marcou 1980 a banda começou com Tom Sawyer e a galera delirou.

A modern-day warrior Mean mean stride, Today’s Tom Sawyer Mean mean pride

Depois veio Red Barchetta, YYZ (que apesar de instrumental fez todo mundo acompanhar com Ooooo oooooooooooooh), Limelight (com seu solo incrível), The Camera Eye, Witch Hunt e pra encerrar o album, mas não o show, Vital Signs. Veio então uma música nova e o Drum Solo do Neil Peart.

Nessa hora começou a garoar e eu achei melhor descer para um lugar que tivesse teto. Não consegui, mas até que foi legal ver o show lá de trás porque os telões eram imensos, então não perdi nada. E o Drum Solo é um exagero. Depois dele, veio uma versão nova de Closer to the Heart que adorei, 2112 Overture e The Temples of Synrix (galera delirando de novo) e uma música do Snakes and Arrows que só tinha ouvido falar, Far Cry.

Hora do bis! E ele veio com La Villa Strangiatto (zuando muito por conta do início em forma de polka) e depois Working Man (que começou com uma versão de reggae esquisita). Saí do show no meio da última porque fiquei com medo de não conseguir taxi para ir embora e sabe como é, RJ é uma cidade perigosa.

Enfim, melhor show da minha vida. Inesquecível. Pena que eles não tocaram The Trees, a favorita de todas. Mas tenho certeza de que vou ver isso um dia.

Geddy Lee, agora mais que só um ídolo musical. Bacana demais.

A parte boa de não levar a câmera foi que curti o show intensamente, sem me preocupar com zoom e flash. Pelo menos isso.

No meu Facebook, links de vídeos do show em alta definição.

Rush Rush Rush!

%d blogueiros gostam disto: