Arquivo de tag filmes

porMelissa de Sá

Resenha de Filme: A Rede Social

Assisti esse filme já faz um tempo, mas agora que ele arrebatou 4 Globos de Ouro incluindo Melhor Filme Dramático e Diretor, encontrei a desculpa que precisava para comentar.

A Rede Social conta a história da criação do Facebook, provavelmente a maior rede de relacionamento do mundo, desde sua concepção pelo então aluno de Harvard Mark Zuckerberg.

Baseado no livro Bilionários Por Acaso, a trama mostra Zuckerberg de um modo menos heróico e revolucionário e mais sacana e obscuro. Li alguns posts em blogs que reclamavam do filme, dizendo que não conseguiam se identificar com o personagem principal porque ele mal fala e é um idiota. Bem, acho que essa é a idéia que o filme quis realmente transmitir. A de um cara isolado, ambicioso, que se acha o máximo, que um dia brigou com a namorada, resolveu sacanear e criou o Facebook.

O ritmo do filme é excelente. Entrecortado por depoimentos de pessoas que processaram Zuckerberg por plágio e copyright, o espectador é levado pelo drama de Eduardo Saverin, pela depressão de Mark Zuckerberg e até por algumas cenas de comédia protagonizadas pelos gêmeos e pela namorada de Saverin. O timing é perfeito e a trilha sonora ajuda a criar o clima nerd e tecnológico que permeia todo o filme.

O grande conflito do filme, a meu ver, é muito mais a amizade entre Mark e Eduardo do que uma briga judicial.

Achei que o filme foi dramático e intenso onde precisava e retratou de uma forma bem interessante o universo acadêmico e nerd que envolvia os personagens. No entanto, é importante lembrar que apesar de ser baseado em uma história real, o livro que deu origem ao filme é baseado nos relatos de Saverin e dos gêmeos, ou seja, não temos acesso à versão de Mark Zuckerberg. E o filme mostrou isso de uma forma brilhante. Zuckerberg é calado, não sabemos ao certo o que ele pensa. O protagonisa é justamente a lacuna que falta e o diretor soube usar isso a seu favor.

Os atores também foram bem escolhidos. Dou um destaque para Andrew Garfield como Eduardo Saverin. Achei que ele deu a sensibilidade que o personagem exigia. Justin Timberlake como Sean ficou tão destestável, que foi perfeito também.

Recomendo para quem gosta de filmes longos e diálogos extensos. Se você não tem paciência com esse tipo de filme, esqueça!

porMelissa de Sá

Resenha de Filme:Harry Potter e as Relíquias da Morte Surpreende

Finalmente uma adaptação da série teve um saldo positivo no fim das contas. Depois de fazer cinco filmes de roteiro fraco, Steve Kloves acertou a mão como roteirista e conseguiu fazer algo decente.

Em primeiro lugar, é preciso dizer que adaptação fílmica é uma tradução de algo que está na mídia literária para a mídia cinematográfica. Sendo uma tradução, toda adaptação fílmica acaba sendo uma interpretação que precisa se adequar à mídia cinema. Isso é óbvio, porque não faz sentido simplesmente usar todas as falas e descrições do livro no cinema e apesar de algumas pessoas acreditarem que esse é o caminho, além de inviável em termos de tempo e espaço, ficaria horrível.

Adaptações sempre privilegiam algum aspecto. Por exemplo: algumas adaptações prezam por manter o chamado “espírito da obra”, ou seja, mudanças de roteiro grandes podem ser feitas, mas no fim das contas o que conta é a caracterização dos personagens, o ritmo, etc. Um exemplo desse tipo é o filme Desventuras em Série que apesar de ter mudado radicalmente o curso dos eventos dos livros 1, 2 e 3 da série, manteve a mesma atmosfera do livro. Já um outro tipo poderia ser aquele que privilegia a história a ser contada em detrimento da ambientação. Um exemplo bom seria O Iluminado, filme de Kubrick baseado na obra de Stephen King. Raríssimos filmes conseguem unir as duas coisas. Pra se ter uma idéia do quanto isso é difícil, o exemplo dado é O Senhor dos Anéis.

O grande problema das adaptações de Harry Potter feitas por Steve Kloves no roteiro (vale lembrar que Harry Potter e a Ordem da Fênix foi adaptado por outro roteirista, Michael Goldenberg, e é uma adaptação excelente que privilegiou o “espírito da obra”) é que ele realmente não sabe o que fazer. A impressão que se tem é que ele fica perdido e não consegue se decidir se mantém o clima do livro, se tenta contar a história, se cria coisas que ele acha que deveriam estar lá ou simplesmente não faz nada. Na minha opinião, Kloves é um roteirista medíocre que não consegue fazer escolhas: ele tenta colocar tudo, tenta criar um clima mas no final só consegue um punhado de cenas aleatórias sem sentido e algumas cenas longas demais tiradas da sua própria imaginação tosca que não acrescentam nada ao filme.

Estou sendo muito cruel? Huuum, vamos ver:

  • Harry Potter e a Pedra Filosofal: Kloves até consegue contar a história inteira e criar frases de efeito, mas a impressão que se tem é que não há passagem de tempo na história! Ou seja, tudo pode ter acontecido em um mês, ou uma semana, ou quem sabe até em vários anos…
  • Harry Potter e a Câmara Secreta: Mais uma vez a passagem de tempo é bem discutível. Nesse filme, Kloves começa sua louca obcessão por Hermione. Ela começa a aparecer mais, começa a roubar as falas do Ron e o fato de ela ficar um terço do filme petrificada não parece impedir nada disso.
  • Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban: Se no outro filme Hermione era a segunda personagem que mais aparecia, agora podemos começar a pensar se o melhor nome do filme não seria “Hermione Granger e o Prisioneiro de Azkaban”. Justamente quando a caracterização dos personagens começa a ficar mais importante, Kloves decide que as coisas ficariam melhor do jeito dele, ou seja, Hermione é uma bruxa preocupada com a aparência, Ron é um boboca e Harry é uma banana chorosa. Hermione rouba todas as falas legais. O background mais importante do livro (que é a história de Sirius Black – o tal prisioneiro de Azkaban do título) não foi contada. Kloves preferiu gastar tempo no cabelo de Hermione e em sentimentalismos em relação à mãe de Harry.
  • Harry Potter e o Cálice de Fogo: eita, livro de 500 páginas. As coisas começam a complicar. Qual estratégia utilizada? Cortar todos os detalhes que não influenciam na trama principal (mesmo que esses detalhes sejam importantes nos livros posteriores) e focar em cenas inúteis como em conversinhas amorosas que ele mesmo inventa.
  • Harry Potter e o Enigma do Príncipe: o ápice de Kloves. Nesse livro ele resolveu simplesmente não contar a história e fazer apenas uma collection de suas cenas favoritas. Além disso, Hermione e Harry começam a ficar bem próximos (??????????) falando sobre seus sentimentos (??????????????). Harry é um conquistador nato, Ginny é uma mocinha submissa e Dumbledore se preocupa com a vida amorosa de seus estudantes (??????????????). Isso tudo acrescentando cenas incríveis de autoria do próprio Kloves (como o puff de Slughorn para falar de quando a mãe de Harry morreu (Insensível? …………) e a ascendeção de varinha na morte do Dumbledore, que fez o final do filme parecer um show do Coldplay. Ah, e ele não falou nada sobre o Príncipe Mestiço do titulo. Que chato, hein?

Dessa vez, no entanto, em Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte 1, Kloves conseguiu. O filme de modo geral é muito bom. A história é contada de uma forma lógica (que avanço, hein Kloves?) com um balanço bom entre comédia e drama. No entanto, o filme peca nos detalhes. Kloves não tem sensibilidade para cenas dramáticas e a maoria delas ficou um tanto novelas da Televisa (exemplo, cena em que Harry e Hermione ficam chorando porque Ron foi embora). Além disso, Kloves ainda prefere criar suas próprias cenas inúteis ao invés de usar as cenas impactantes que já existem no livro (vide trocar a cena tocante de amizade entre Harry e Ron depois de destruir a Horcrux por uma dança (?)  entre Harry e Hermione).

Dança entre Harry e Hermione: ainda parece um resquício de que Kloves é H/H...

Alguns detalhes beiram o brega. Entre eles, a gotinha de sangue escorrendo do braço de Hermione, Harry abotoando o vestido de Ginny Weasley e a tal dança acima mencionada. O beijo da Horcrux do mal entre Harry e Hermione completamente nus ficou, no mínimo, cômico. Mas não sei até quando isso foi uma decisão do roteirista ou da direção. Algumas cenas parecem ilógicas, até. Por exemplo: por que Harry, Ron e Hermione começaram a correr dos Snatchers se eles simplesmente podiam aparatar?

Harry e Ginny: sem graça e brega

Mas como eu disse, o filme teve saldo positivo. A caracterização de Lupin ficou muito boa apesar de não termos aquela cena em que ele pede para ir com Harry. As cenas entre Ron e Hermione também foram ótimas, com momentos de comédia e romance. A tensão entre os dois foi bem feita, principalmente quando Ron vai embora e depois volta. As sequências de ação da invasão ao Ministério da Magia, de Nagini atacando Harry e Hermione em Godric´s Hollow e da briga na Mansão Malfoy foram as melhores de toda a série no cinema. Inclusive, até o momento tocante de Harry no cemitério dos pais foi muito bom e emocionante. A morte de Dobby também foi um ponto alto do filme.

O casal Ron e Hermione foi um dos pontos altos do filme…

O filme surpreendeu no roteiro. Daria nota 3 de 5.

porMelissa de Sá

Resenha de Filme: Toy Story 3 – rir e chorar

Toy Story é um dos filmes da minha infância. Eu e minha irmã tínhamos uma fita (sim, eu sou da época do VHS) do filme e sabíamos todas as falas de cor. Era uma coisa absurda. A gente assistia o filme no mínimo uma vez por semana, cantávamos as músicas, falávamos juntos com nossos personagens favoritos, essas coisas. Alguns bordões resistiram ao tempo e até hoje a gente fala coisas como “O garra está se mexendo” ou “Buzz Light Year do Comando Estelar, responda Comando Estelar, responda”. Pois é.

Quando Toy Story 3 saiu eu fiquei com um pouco de medo porque eu já não tinha gostado do Toy Story 2 (pra se ter uma noção do tão pouco eu gostei, mal lembro da história do segundo filme, só sei que a Jackie aparece). Então não fui com muita sede ao pote. Com as férias trazendo suas crianças desesperadas ao cinema, Toy Story 3 foi ficando cada vez mais pra fora dos meus planos. Até terça-feira passada quando meus pais, numa idéia meio louca, resolveram me buscar no serviço e me levar pra ver o filme na sessão de nove e tantas.

Nem precisa dizer que chorei na primeira cena só de ouvir a música “Amigo estou aqui…” e rever todas as brincadeiras do Andy com o Woody e o Buzz… Foi como voltar à infância em questão de segundos! E a história do filme é S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L! Eu não poderia pensar num roteiro como aquele, tão cheio de aventura, bons personagens e sentimento. Foi o final perfeito para todos os fãs de Toy Story.

SPOILER

Achei a idéia de o Andy estar indo pra faculdade e os brinquedos estarem tristes porque não são mais usados, uma metáfora maravilhosa para crescimento e amadurecimento. Essa coisa de que ao crescer sempre temos que fazer escolhas e deixar coisas pra trás, mas sem esquecer aquilo que nos define.

A mirabolante teia de acontecimentos que faz com que os brinquedos parem na creche é realmente inteligente e faz com que a gente fique preso à história. Sem contar que o vilão é super! (Se bem que eu sabia que aquele bichinho de pelúcia fofinho era bom demais pra ser verdade) As piadinhas, claro, são incríveis como sempre são as piadinhas dos filmes da Pixar. (As melhores são as piadinhas que zoam Toy Story 1)

O conflito dos personagens é muito bem feito, principalmente em relação ao Woody. Acho que é impossível não se identificar com ele, preso ao passado, com medo de mudar mas ao mesmo tempo com grande força de vontade e coragem. Um paradoxo tão comumente humano que até assusta.

O final dispensa comentários porque é maravilhoso. Nem precisa dizer que a nova versão de “Amigo estou aqui” me fez chorar até me acabar. Achei tocante mas sem ficar melodramático.

FIM DO SPOILER

Se você é como eu e não se esquece da sua criança interior, assista esse filme. Você vai morrer de rir, ficar tenso e ainda chorar horrores.

porMelissa de Sá

Resenha de Filme: Cartas para Julieta

Okay, acabei de chegar do cinema. Gastei 5 reais no Diamond Mall para ver e bem, achei bem mediano. A impressão que tive foi de que a história podia ter dado muito mais. A idéia até que é interessante: Shopie, uma moça de Nova York, vai pra Verona com o noivo numa espécie de pré-lua-de-mel. As coisas não saem do jeito que ela planejou e ela acaba se envolvendo com as “Secretárias de Julieta”, mulheres que respondem aos bilhetes e cartas deixados por moças apaixonadas do mundo todo em uma parede de Verona. Todo dia essas “secretárias” recolhem as cartas e respondem. Sophie encontra uma carta que ficou escondida por 50 anos e resolve respondê-la. É então que a velha senhora inglesa Claire volta a Verona para tentar encontrar seu amor perdido, Lorenzo.

O filme tem duas horas. E o que poderia ser interessante, acaba virando um lenga-lenga. Todo mundo sabe que Sophie vai ficar com o neto da Claire desde o começo. Okay, podem dizer que isso é um cliché de comédia romântica, só que o como eles ficam juntos também não tem muita graça. Aliás, o que salva o filme é Claire, a velhinha fofa e romântica vivida por Vanessa Redgrave.

Infelizmente a impressão que eu tive de que esse filme lembrava um pouco Sabrina Vai À Roma é verdade. Filme legal, vale a pena pra distrair de tarde e fugir da sua avó, mas nada incrível.

P.S: eu não sei porque mas o cartaz desse filme está em todos os pontos de ônibus de Belo Horizonte, mas o filme só passa no Diamond. Obviamente, Eclipse não deixa. Mas deixa o Eclipse pra outro post…

porMelissa de Sá

Resenha de Filmes: Filmes sensíveis

Está aí um estilo de filme que eu adoro. E por filme sensível não estou falando de filme romântico ou filme meloso, mas sim de filmes que são feitos de uma forma que aborde temas corriqueiros (ou não) de uma forma sensível.

Um dos meus filmes favoritos de todos os tempos é Garota da Vitrine (Shopgirl, em inglês). É um filme baseado em livro escrito pelo Steve Martin (sim, aquele que faz comédias) mas que trata de temas como solidão, depressão, medo de não encontrar o amor e encontros improváveis de uma forma sensível, que realmente chega perto de que assiste. O filme conta a história de Mirabel, uma moça sem nada de especial que costumava sair com caras que também não tinham nada de especial, e como sua vida (e de outras pessoas a sua volta) muda quando um homem misterioso lhe dá de presente uma luva chique (da loja em que ela trabalhava). A impressão que se tem quando o filme acaba é que aquilo poderia ter acontecido com a gente.


Assisti a alguns dias atrás Amor sem escalas (Up in the air, em inglês), filme que rendeu um Oscar ao George Clooney esse ano. Diferente de Shopgirl, esse filme aborda os mesmos temas do anterior, mas tem foco em um personagem masculino. A história do homem que viajava o ano inteiro para despedir pessoas também é uma história de mudança e auto-conhecimento. Fiquei extremamente tocada com o filme e é impossível não se identificar com a situação do personagem, mesmo quem nunca foi homem e quem nunca viajou de avião (levanta a mão!)

Eu sei que muita gente não gosta de filmes assim, dizem que é tudo uma fórmula pra fazer a gente se sentir assim tocado com cada passagem de cena, mas quer saber? Eu acho que são poucos os diretores que realmente sabem fazer filmes assim. E poxa, eles fazem a gente repensar algumas coisas em nossas vidas. Isso é o que mais vale.

Se eu fosso cineasta, esse seria o tipo de filme que eu gostaria de fazer.

E dizer que eu choro horrores como isso tudo é totalmente irrelevante. rs


%d blogueiros gostam disto: