Essa semana eu vi #6

porMelissa de Sá

Essa semana eu vi #6

Vocês já sabem: nesse meme, falo do que vi durante a semana. Vale pra filmes, séries, documentários, etc.

Participe você também comentando aqui ou levando o meme pro seu blog/Facebook/tumblr. Ah, e pode ler sem medo que não temos spoilers aqui não. 🙂

Na semana da reta final finalzona da dissertação assisti pouca coisa, como era de se esperar. Foram dois filmes:

Amor Sem Escalas (Up In the Air – 2009)

Esse é um dos filmes mais queridos pra mim. Daqueles sensíveis, inesquecíveis mesmo. Rever é sempre bom. A primeira vez que vi esse filme ficou registrada aqui.

Sinopse do filme:

Ryan Bingham tem um emprego no mínimo inusitado: ele viaja pelos Estados Unidos demitindo pessoas. Isso mesmo. Sua empresa presta serviços para patrões que não têm a cara de demitir seus próprios funcionários. Ryan é viciado em trabalho, viaja o tempo todo e sua maior alegria é acumular milhas. O mundo de Ryan, no entanto, está prestes a mudar. Sua empresa está sendo reestruturada. No meio do caminho, ele conhece duas mulheres que mudarão, de diferentes formas, sua vida para sempre.

A edição do filme é primorosa e o roteiro é brilhantemente executado. Os diálogos são bem construídos e as atuações são impecáveis. Não tem como não se identificar minimamente com Ryan e suas aflições. Ah, a trilha sonora é foda. E não é uma comédia romântica, apesar do título.

E, aí? Gostei?

Jason Reitman, né gente? Eu adoro esse diretor. Ele tem sacadas geniais e seus filmes sempre ficam nessa beiradinha gostosa entre comédia e drama. Recomendo demais. É se emocionar na certa. Além disso, George Clooney está numa atuação incrível.

Um Sonho de Liberdade (The Shawshank Redemption – 1994)

Eu nunca, nunca tinha visto esse filme. Como assim? Por que demorei tanto? Não sei, ainda mais porque é baseado em uma obra do Stephen King. E não, não tem nada a ver com terror. E sim, é foda.

Sinopse do filme:

Andy Dufresne é mandado para a prisão de Shawshank, no Maine, acusado de matar a esposa e o amante dela. O ano é 1946 e a sentença é perpétua. Andy, um homem tímido e bem instruído (afinal, ele era banqueiro antes de ser preso), tenta se ajustar na difícil vida na prisão. O diretor trata os detentos como animais, os guardas são corruptos e violentos e alguns detentos têm comportamentos cruéis. Andy faz amizade com Red (Morgan Freeman, porque amamos o Morgan Freeman), um preso que controla o mercado negro no local. A amizade entre os dois é construída durante as décadas ao longo dos quais ambos cumprem suas penas.

Andy se diz ser inocente. Será verdade? Qual o crime que Red cometeu para estar na prisão? O que, diabos, vai acontecer nesse filme? Essas perguntas ficam na ponta da nossa língua enquanto assistimos esse maravilhoso drama. Sério. É maravilhoso mesmo. Daquelas obras que mostram o que há de melhor e pior nos humanos.

E aí, gostei?

Putz grila, não imaginava que esse filme era tão bom. Quando meu marido sugeriu que víssemos (ele já tinha assistido antes e queria rever), eu não fazia ideia de que seria uma história tão tão tão tão tão boa assim. Chorei e sorri com Um Sonho de Liberdade. Inclusive, fiquei pensando na história um bom tempo depois, o que é sempre um sinal de que um filme é ótimo.

.

E vocês, o que assistiram essa semana?

Sobre o Autor

Melissa de Sá administrator

Melissa é escritora e fica hiperativa com açúcar. É autora da distopia Metrópole: Despertar, publicada pela Editora Draco em 2016, e do livro infantil A Última Tourada, adotado em centenas de escolas no Brasil. Tem contos publicados em diversas antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento.

2 Comentários até agora

Ernesto RibeiroPostado em3:26 am - abr 30, 2014

Baby, você precisa assistir a MELHOR SÉRIE DE TV de Todos os Tempos: 24 HORAS.

O Grande Épico – Drama – Obra-Prima de nosso tempo.

A Melhor Dramaturgia. Os Melhores Atotes. O Mais GENIAIS argumentos / histórias / enredos / roteiros já escritos.

O herói definitivo: Jack Bauer. A heroína mais inteligente: Chole O’Brian.

A AUTO-CRÍTICA mais sóbria e corajosa dos EUA, da democracia e das decisões / ações condenáveis e no entanto necessárias na luta contra o terrorismo.

24 Horas : O pináculo da criação humana.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: