Discografia e História: The Runaways PARTE 5: Waitin´ for the Night

porMelissa de Sá

Discografia e História: The Runaways PARTE 5: Waitin´ for the Night

E nada melhor do que passar o Carnaval com um pouquinho de bom e velho rock and roll, não? Então vamos pra sequência da história da banda estado-unidense The Runaways. E esse post vai abordar o conturbado período que se seguiu à turnê japonesa de 1977.

Como sempre, esse é um post do projeto Born to Be a Runaways Fan e as informações que uso foram declarações da própria banda. Para conferir a bibliografia, dê uma olhada nos posts anteriores.

Confira o período pós-Japão e a nova formação da banda na segunda metade de 1977.

No documentário Edgeplay, Jackie Fox diz:

As pessoas às vezes me perguntam: O que você acha da Lita? O que você acha da Joan? E a única resposta que consigo pensar é: Eu não as conheço! Sabe, eu não sou a mesma pessoa que eu era quando tinha 16 anos. E nós éramos todas incrivelmente difíceis do nosso jeito: Cherie nas Runaways era a pessoa mais egocêntrica que eu já conheci na vida. Lita era uma vaca. Sandy… Sandy apenas parecia ser incapaz de um pensamento independente. Ela tinha a melhor das intenções, mas era facilmente convencida por quem quer que seja da banda que fosse amiga dela na semana em questão. E Joan era, provavelmente, naquele momento, a pessoa mais estável, a que era a peça central na banda. E eu era uma terrível sabe-tudo insegura. E colocar-nos todas juntas era uma batalha de problemas de personalidade.

Com a saída de Jackie no final da turnê do Japão, os ânimos não se acalmaram. Pelo contrário, a tensão decorrente das diferenças de personalidade permaneceu entre as membros juntamente com a competitividade e agora as apresentações para a escala de uma nova baixista.

Vicki Blue antes da mudança de visual imposta por Lita.

Algumas garotas tocaram até que Vicki Blue (Victory Trischler-Blue) apareceu. Vicki ficou sabendo por um amigo que Jackie Fox tinha saído da banda no Japão e ligou para Kim Fowley a fim de marcar um teste. Em Edgeplay, ela diz que se lembra de entrar no estúdio de ensaio e abrir a porta para dar de cara com a banda lá dentro. Ela diz que houve um “momento congelado no tempo” para depois pensar imediatamente: “Ah meu Deus, ela realmente parece comigo!”. E ela estava se referindo a Lita Ford.

A banda ensaiou com Vicki algumas músicas e de acordo com a última, o ensaio foi bom. Então as Runaways pediram que Vicki deixasse a sala para deliberar a decisão. Vicki diz que se sentiu ansiosa, pois queria muito entrar para a banda. Quando ela entrou na sala mais uma vez, Cherie estendeu a mão para ela e disse: “Bem-vinda às Runaways!”. Mas Vicki e Lita realmente se pareciam muito o que, obviamente, não deixava Lita nada feliz. Para resolver o “problema”, Lita pintou o cabelo de loiro e convenceu Vicki a fazer um permanente. Mas ainda assim, as duas passariam facilmente por irmãs.

Lita… Realmente parecidas, não?

Mas estranhamente, Vicki e Lita se tornaram um tanto próximas. Em Edgeplay, Lita diz que considerava Vick sua responsabilidade. Foi ela quem ensinou a Vicki todas as antigas músicas das Runaways (e lembrando aqui que Lita é uma ótima baixista! rs) e as duas passavam algum tempo juntas. Ainda no documentário, Lita diz que estava cansada da atmosfera tensa da banda naquela época e que Vicki trouxe um certo ar fresco. Passar um tempo com Vicki era mais tranquilo uma vez que ela não estava envolvida em antigos joguinhos de poder ou em ressentimentos passados.

 O limite de Cherie

Com uma nova integrante, a banda precisava investir mais uma vez em sua imagem. Por isso uma sessão de fotos foi marcada a fim de apresentar The Runaways em sua nova formação. O fotógrafo era Barry Levine, o mesmo que à época fazia a maior parte das fotos promocionais da banda bem como a capa dos álbuns. O ensaio, no entanto, não saiu como o esperado. Essa história tem duas versões, então vamos lá:

  • Versão de Lita Ford e Vicki Blue

Uma das fotos em grupo da sessão fotográfica fatídica…

Lita deu carona para Vicki até o estúdio e lá, juntamente com as outras Runaways, ficaram esperando por Cherie, que chegou duas horas atrasada porque dividia o carro com sua irmã. Lita ficou p da vida, mas a sessão de fotos rolou. No entanto, quando a banda começou a fazer a sessão de fotos individuais, Cherie disse que tinha que ir embora mais cedo. Levine, irado, atirou a câmera no chão e começou a gritar. Cherie, assustada, saiu correndo para o vestiário e começou a se trocar. O problema é que Lita já tinha perdido a cabeça com a história toda. Ela foi atrás de Cherie e literalmente arrombou a porta para empurrar Cherie contra a parede e dizer: Ou é a banda ou a sua família! Cherie, em pânico, diz que era sua família e depois emenda com um: “Eu não posso trabalhar com essa mulher!” e vai embora. Antes de sair do estúdio, no entanto, ela segura o braço de Vicki e pergunta: “Vicki, você vem comigo?” e Vicki diz que não. É aí que Cherie sai da banda.

No documentário Edgeplay, Lita diz que já estava de saco cheio de Cherie e de seus problemas familiares. Ela diz que se importava muito com a banda, com a música e que estava disposta a trabalhar duro para o sucesso das Runaways, coisa que ela achava que Cherie não estava fazendo. De acordo com Lita, Cherie estava sempre atrasada e mais preocupada com relacionamentos (referência ao affair entre a loira e Scott Anderson) e drogas do que com o que era melhor para sua carreira.

  • Versão de Cherie Currie


Cherie chega no estúdio e avisa Barry Levine que tinha que ir embora mais cedo pois tinha que entregar o carro para sua irmã gêmea, Marie, que tinha aulas de atuação, às sete horas. Barry diz okay, mas Lita chega duas horas atrasada e a sessão demora mais do que o planejado. Cherie então, no meio da sessão, anuncia que precisa sair. Levine, irado, atira a câmera no chão. Percebendo que a situação ia ficar feia, Cherie sai correndo para o vestiário e tenta sair dali o mais rápido possível. Mas Lita vai atrás dela, derruba a porta e começa a gritar. No meio da briga, Lita diz que existe a banda e a família e que todas as outras escolheram a banda. Cherie diz que escolhia sua família e vai embora.

E mais uma vez Cherie entra em conflito com seus depoimentos. Enquanto que em sua autobiografia, Neon Angel,  ela diz que ficou arrasada com sua saída das Runaways e que teria voltado se as outras garotas tivessem ido atrás dela para conversar, em Edgeplay ela diz que já tinha tido o bastante e que foi um alívio sair e começar sua carreira solo. Como sempre, drama queen. Eu, pessoalmente, acredito na versão de Vicki Blue e Lita Ford. Até porque são duas pessoas contando a mesma história e Vicki é uma figura bastante mais coerente que Cherie.

E é assim que Cherie Currie, a Cherry Bomb, abandona The  Runaways. No entanto sua imagem com o espartilho branco seria para sempre associada à banda.

Seguindo em frente como um quarteto

No dia seguinte da saída de Cherie, as membros remanescentes da banda se reuniram e Joan teve que assumir a responsabilidade de ser o vocal principal. Tanto Lita quanto Vicki dizem que Joan teve um flash de insegurança, se perguntando se seria capaz de fazer aquilo. A banda a apoiou e a ajudou a escolher as músicas que Cherie cantava que ela poderia cantar. Vicki Blue diz em Edgeplay que esse foi o único momento de camaradagem que experenciou durante toda sua estada com as Runaways.

Vicki ao lado de Joan, agora frontman num estilo bastante diferente da anterior

Joan Jett se tornou uma excelente frontman, apesar de ter um estilo completamente diferente de Cherie. A banda pós-Cherie, inclusive, parece outra. A pegada punk se tornou mais forte bem como músicas mais pesadas, uma vez que a banda não tinha mais lidar com os pedidos de músicas melódicas de Cherie. Joan tinha uma postura agressiva no palco, mas bem menos sensual. Nada de corpetes, nada de lingeries. Joan Jett usava calça jeans rasgada e no máximo seu macacão vermelho (que ela abandonou depois de 77).

Uma nova imagem se formava para a banda. Cherie fazia o tipo femme fatale misturado com drama queen, enquanto Joan era mais masculina  e durona e tinha uma atitude rock and roll facilmente confundida com arrogância segundo alguns produtores (dentre eles, Toby Mamis). Cherie usava as mãos, se abaixava e dançava para impor sua presença no palco. Joan, por motivos óbvios, não podia fazer isso. Ao invés disso, ela passou a usar os olhos (aquele olho arregalado que mais tarde seria uma de suas marcas registradas), mascar chiclete e dar umas jogadas de ombro. Os ombros curvados que tanto desagradavam Kim Fowley acabaram se tornando sua postura clássica no palco.

Nos comentários do filme The Runaways, Joan disse que Kim Fowley achava que The Runaways sem Cherie Currie estava fadada ao fracasso. Ela diz que ele nunca falou isso, mas que ela podia sentir e que ficou feliz quando provou a ele que ele estava errado.

Da voz no limite melódica de Cherie Currie para a interpretação seca e agressiva de Joan Jett

O que Fowley temia era que sem o apelo sexy explícito a banda não fizesse mais sucesso. De certa forma isso não aconteceu, mas é verdade que o público mudou junto com o som. Possivelmente alguns fãs não gostaram da nova cara da banda e Waitin´ for the Night não foi um álbum bem recebido na época. Pelo menos não nos Estados Unidos.

Das músicas que Cherie cantava, Joan passou a cantar “Queens of Noise” integralmente, “California Paradise”, “American Nights” e “C´mon”. Em termos técnicos, Cherie Currie era uma melhor vocalista, mas Joan Jett conquistou os fãs com a atitude rock and roll.

Diz aí que o vídeo é de 78, mas pelas roupas, imagino que seja 77. Tinha um vídeo de ótima qualidade dessa música sem Cherie, mas não consigo achar em lugar nenhum do Youtube mais. Alguém tem?

Kim Fowley se afastou um pouco e Toby Mamis passou a gerenciar a banda. Em meio a essa fase de adaptação, é importante dizer que o clima estava extremamente tenso e que as drogas já eram mais que rotina. Vicki Blue, na época, era a única que não usava drogas. Foi nesse cenário que Waitin´ For the Night, o quarto álbum da banda foi gravado em agosto de 77.

Título: Waitin´ for the Night

Lançamento: outubro de 1977

Gravadora: Mercury Records

Produção: Kim Fowley

1.Little Sister (Jett / Inger Asten): Essa primeira música já mostra o que vai se ouvir nesse álbum: guitarras mega altas e distorcidas, vocal agressivo e letras nervosas sobre a noite na cidade, curtição e encontros amorosos. Joan apanhava para cantar esse refrão ao vivo, mas também era uma das melhores interpretações dela nos shows. Uma vez vi um comentário no Youtube dizendo que esse álbum deveria se chamar “Kids in Hate”  por conta do refrão dessa música e eu acho que é verdade.

2. Wasted (Jett / Fowley): Uma música sobre jovens drogados nos clubes da cidade. “Wasted” acaba sendo uma mistura conflitante de uma inspiração punk (Joan) com outra heavy metal (Lita). No final o punk ganhou, mas o solo de Lita nessa música é muito bom.

3. Gotta Get Out Tonight (Jett): Seguindo a linha mais pesada das músicas anteriores, essa apresenta guitarras em excelente forma, tanto da parte de Lita quanto de Joan. E destaque para Vicki, que é uma baixista muito melhor que Jackie.

4. Wait For Me (Jett): Uma balada romântica escrita por Joan, mas que não deixa de lado as guitarras. Um riff bem bolado, não cansa. A voz de Joan mescla uma interpretação mais suave com seu tom usual agressivo.

5. Fantasies (Ford): Primeira música composta 100% por Lita Ford que aparece num álbum, essa faixa não poderia deixar de ser o alívio mais metal num álbum quase todo punk. A música, lenta e melódica, apela para arranjos de guitarra e um solo excelente. Apesar de bem composta e bem executada, algumas vezes ela me cansa. Uma faixa longa se formos analisar outras músicas da banda.

6. School Days (Jett / Fowley): Joan canta sobre experiências na escola e a vida depois dela. Provavelmente a música mais tocada da época. Lita faz uns enfeites muito legais nessa música, mas sempre senti falta de um solo.

7. Trash Can Murders (Ford): Lita faz uma letra sinistrona sobre assasinatos à noite (bem estilo metal mesmo) somada a uma pegada de guitarra muito bem feita. Joan interpreta a música no que é seu melhor vocal no disco inteiro e eu arriscaria dizer nos álbuns de estúdio das Runaways. Ah, e o solo de Lita é excelente e a guitarra base de Joan também. Ah, e Vicki e Sandy também foram muito bem. Enfim, essa faixa é ótima! Apesar da letra sinistrona.

8. Don´t Go Away (Jett): Outra música mais romântica de Joan. Gosto bastante dos vocais agudos de Joan aqui, mostra um pouco da sua versatilidade vocal.

9. Waitin´ for the Night (Jett / Fowley / Krome): A faixa-título é uma balada com um refrão pesado e uma letra mais poética bem Kari Krome.

10. You´re Too Possessive (Jett): Para o final temos uma música bastante intensa com vocais mega agudos de Joan Jett sobre um caso de affair possessivo. Inclusive,  os backs mega agudos eram um sofrimento nos shows ao vivo. Mas destaque para Lita.

A contracapa da Waitin´ For the Night

 Dessa época estão alguns vídeos de apresentações da banda na TV, vale a pena conferir:

Ah, e esqueçam a legenda do vídeo acima pois até toda errada. Até diz que Lita é Cherie… Imagina se a Lita vê uma coisa dessas…

 Uma perda

Um fato não muito comentado a respeito da formação de The Runaways como um quarteto é que a banda perdeu seu backing vocal de qualidade. Até a saída de Cherie, os backs ao vivo eram incríveis. Na formação clássica, Joan e Jackie faziam o back para Cherie. Um dos talentos não muito mencionados de Joan Jett é que ela é uma excelente backing vocal, conseguindo dar força ao vocal principal e ao mesmo tempo imprimindo sua marca. Cherie também fazia backs ótimos e o mesmo se diz de Jackie Fox, que tinha uma voz muito bonita por sinal.

Com a saída de Jackie e mais tarde de Cherie somado ao fato de que Joan agora era o vocal principal a responsabilidade maior dos backs caiu sobre Lita. E Lita Ford tem um back medíocre na minha opinião, de péssima qualidade. Desafinado e sem coordenação. Vicki Blue era uma back melhor, mas estranhamente, ela não era fã do microfone e nos vídeos que podemos ver da banda, é raro vê-la com um pedestal na frente. Quanto a Sandy West, ela normalmente faz coro e não back. No álbum de estúdio, Joan gravou todas as segundas vozes e backs (apesar de eu desconfiar que tem Sandy no coro às vezes).

 The Runaways como um quarteto se tornou uma banda mais underground, uma vez que apelo sexual que Kim Fowley tanto queria, perdeu sua força. Joan Jett disse, se não me engano nos comentários do filme The Runaways, que elas eram infelizes na época e que uma prova disso é que não há fotos delas sorrindo na época. Lita Ford diz no documentário Edgeplay que tudo que aprendeu no cenário musical com The Runaways veio do jeito mais difícil possível. Sandy West, por outro lado, diz que estar na banda foi a melhor época de sua vida.

Com o álbum mais Joan Jett de todos gravados pelas Runaways, não só pelo número de composições mas também pelo apelo punk, a banda fez alguns shows nos Estados Unidos e depois se lançou na segunda turnê pela Europa tocando em países como Reuno Unido, França, Bélgica e Holanda.

De volta aos EUA em dezembro de 1977 se prepararam para a turnê nacional ao lado de bandas como os Ramones.

Aguardem o próximo post que traz o ano de 1978!

Bibliografia

  • The Runaways Collector: um canal no Youtube com várias gravações raras de TV da banda. Vale MUITO a pena ver. Infelizmente, da última vez que tentei acessar o canal, vi que ele foi deletado. Vídeos raros estavam lá e era realmente bom. Se por acaso alguém tiver os vídeos salvos, entre em contato.


Sobre o Autor

Melissa de Sá administrator

Melissa é escritora e fica hiperativa com açúcar. É autora da distopia Metrópole: Despertar, publicada pela Editora Draco em 2016, e do livro infantil A Última Tourada, adotado em centenas de escolas no Brasil. Tem contos publicados em diversas antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento.

33 Comentários até agora

IsabelePostado em3:27 pm - fev 19, 2012

Realmente, essa história fica cada vez mais impressionante e intensa!
Estou adorando!
Parabéns pelo post!! 😀
Aliás, nos detalhes do album Waitin’ For the Night, está como título “Live In Japan”, não entendi. ‘-‘
Enfim, estarei esperando os próximos posts! Ótimo Trabalho!! *-*

    MelissaPostado em3:31 pm - fev 19, 2012

    Oi Isabele!
    Pois é, essa história é uma loucura! E tem tanta coisa conflitante que até difícil saber em quê acreditar…
    Ah, obrigada por apontar o erro. Já corrigi. Realmente, foi um deslize. 🙂
    Espero te ver mais por aqui!

Ernesto RibeiroPostado em10:56 pm - fev 19, 2012

VALEEEEEEEEEEEEEEEUUUUUUUUUUUUU pelo melhor ANTÍDOTO contra a merda do Carnaval : ROCK N ROLL!

Ernesto RibeiroPostado em11:16 pm - fev 19, 2012

RA RA RA RA ADOREI!

Morri de rir com os seus ótimos comentários jocosos, em tom de blague. Você escreve cada vez melhor. Continue assim. Invista no seu talento literário. Isso aflora quando nós escrevemos sobre o que nos interessa de fato.

Ernesto RibeiroPostado em11:26 pm - fev 19, 2012

Li uma entrevista de CC no site de JJ:

Cherie:

“Except I’d never sang in front of a bunch of people in my life. I was on the bus that first night and all of a sudden I was hit, because I’d never been away from home, my twin sister, anybody, ever in my life. I turned to Lita and I said, “Oh my god, I’m very homesick.” and I started to cry. And she goes, “I’m fucking homesick too, man, but when I come back I wanna be somebody.” And I looked at her and I went “Yeah.” I never got homesick again. Me, Joan and Sandy got along so well, loved hanging out. We were all kinda scared and bewildered ‘cause here we’re on the fucking road – really watching this little group of ours take off. Trying to figure out everything. And then Lita was always very distant because she was just a fucking bitch.

Lita Ford approached us about two and a half years ago – had us all write letters to Joan, begging her. Lita staged this whole thing. Joan all of a sudden goes, “Okay, let’s do this.” So we had like a million-dollar record deal right then. We were starting to think about the tour when we did a conference call between me and Sandy and Lita and Joan and Kenny Laguna (Joan’s musical partner).

Lita didn’t last three minutes on the phone.

Joan had just flown in from Hong Kong; she was exhausted. And Joan talks like, (deadpan sounding) “Yeahhh…” Joan’s very Zen.

And Lita gets so pissed off – she goes, “I want you to be doing fuckin’ double backflips over this. I want you excited.” And Joan said, “Hey, Lita, man, you know, chill out. I’m tired, I just got off a plane after fifteen hours.” And Lita says, “Sorry – I can’t do this. I’m out.”

It was like, “Wait wait wait, Lita! Lita, wait!” She goes, “No, sorry, fuck all you guys, forget it” and she hangs up the phone. That was the first reunion attempt. Then we were offered a substantial amount of money to tour two months ago, 40 dates. Joan is totally into it, we’re all into it.

And Lita freaks out again and says, “You know what? I don’t need the money. I’m moving into my two-million-dollar house in the Caribbean – have a nice life, everyone. Good-bye.”

And it was just like, “What the hell?” The unfortunate thing is that the contract has to have four original members.

Of course, we’re not going to have Jackie, because Jackie doesn’t play; she never really could play. Vicki Blue hasn’t picked up a bass in a decade. Suzi Quatro, I heard, was interested in doing it….”

    MelissaPostado em10:16 am - fev 20, 2012

    Pois é, o problema é que é muito difícil acreditar no que a Cherie diz porque ela é uma drama queen total. Tipo dizer que ela Joan e Sandy eram amigas e bla bla bla e que ela nunca ficou com saudade de casa… Affe! Me poupe. Cada hora ela diz uma coisa. A autobiografia dela é uma coisa, Edgeplay é outra, entrevistas são outras. Tenho maior admiração pela Cherie pela voz incrível que ela tem e por tudo que ela passou na vida e superou, mas tem umas coisas que não me descem.

    Se o contrato dizia que tinha que ter 4 membros originais, por que não Laurie? Ou mesmo Vicki? Laurie era ótima baixista! Já Vicki podia mesmo estar sem tocar a mais de uma década, mas garanto que ela poderia voltar caso fosse do interesse dela. Não é como se ela tivesse ficado 100 anos sem tocar! E Suzi Quatro já declarou que nunca tocaria com as Runaways, mas enfim. Quando o assunto é The Runaways, a gente nunca sabe.

    Ah, e se Jackie Fox era tão horrível assim como Cherie diz, por que aceitou tocar com ela em 1994?

    E por que diabos a Joan tem que levar esse Kenny Laguna pra todo lugar?

      Manoela MacedoPostado em12:09 am - fev 28, 2012

      Eu vejo a cada post seu que eu tenho muito a aprender sobre as Runaways ainda, haha.

      Olha, eu gosto tanto das peculiaridades de cada uma que se eu fosse ter uma banda, (e vou ter) eu misturaria a personalidade de todas juntas. A Cherie Currie fazia, faz aliás, umas apresentações de tirar o fôlego no palco. Realmente é a filha perdida de Bowie e Bardot. E eu sempre quis cantar pra causar esse efeito Currie nas pessoas. =p Mas eu também gosto muito do jeito machão da Joan, esse espírito punk que sempre terá. Eu misturaria tudo mesmo. Já a Sandy também é outra que me inspira pelo jeito de tocar, pois dava pra ver a energia e a alegria dela enquanto estava com as baquetas na mão. Sei que não vou conseguir ser uma Cherie ou uma Joan, mas uma Sandy West eu consigo ser. hahaha. Nunca dei muita bola para as outras integrantes, acho que é por eu gostar de tocar e cantar, aí só presto atenção no que eu gosto.

      Enfim, muito bom poder acompanhar seus posts sobre as Runaways Melissa. Muita gente não entende a história delas e acha que a Currie foi uma Rihanna, uma Katy Perry, ou algo assim dos anos 70, por causa do espartilho. Mas contar a história a estas pessoas cansativas também é cansativo. Portanto, qualquer coisa é só eu indicar o seu blog. 😉

      Perguntas: Qual será o motivo de Currie mudar muitos dos fatos sobre a banda? E por qual razão Suzi Quatro disse que nunca iria tocar com as Runaways? Beijoo. 😉

      MelissaPostado em4:19 pm - mar 3, 2012

      Manoela,
      Runaways é sempre um mistério. Tem coisas que eu acho que a gente nunca vai entender de verdade, sabe. Mas eu tento pelo menos tentar entender o que consigo!

      Eu adoro essa definição da Cherie! Realmente, é o que ela é! Eu gosto muito da Joan, apesar de não concordar com algumas atitudes dela (vide Kenny Laguna e bla bla bla), e admiro muito a Cherie como vocalista. A voz dela é poderosa! É difícil elegir uma favorita, talvez seja mesmo a Joan. Gosto muito da Jackie também. Se eu tivesse uma banda, provavelmente seria uma mistura dessas duas últimas porque gosto de tocar e cantar, mas sem fazer o estilo sexy. Acho que eu sou mais clean.

      Eu também fico cansada de explicar pras pessoas que a Cherie não é a Lady Gaga. É um saco ficar nessa, tentando falar de rebeldia e juventude enquanto o pessoal só entende putaria. E o filme The Runaways também não ajudou muito, né? Confesso que foi um dos motivos de eu criar essa coluna no blog, viu.

      Quanto às perguntas… Eu não sei porque a Cherie muda tanto de declaração. Eu acho que ela tem uma necessidade de chamar a atenção, sabe. Aí acho que ela fala coisas pra chocar. Acho que ela tem uma personalidade mais passional, mas isso é só especulação… A verdade é que ninguém sabe.

      A Suzi Quatro disse que nunca tocaria com as Runaways por causa da idade. Ela disse que se considerva velha demais pra se juntar a elas. O que é uma pena, né?

      Adoro seus comentários! 🙂

      Ernesto RibeiroPostado em3:25 pm - set 4, 2012

      A razão de Joan Jett ter que levar esse Kenny Laguna pra todo lugar é… o contrário: é o Kenny que carrega JJ no bolso.

      “Bolso” é a palavra exata: Kenny Laguna é o empresário que tirou Joan Jett da lama do insucesso e a alçou ao estrelato como Rainha dos Punks (assim como a empresária Sharon Osbourne tirou Lita Ford do buraco e a alçou ao estrelato como Deusa do Metal), garantindo a ela todo o sucesso, fama e fortuna que ela jamais conhecera antes nas Runaways.

      Sandy West : “Foi a falta de um bom ‘management’ que levou ao fim das Runaways.”

      (… e dos Sex Pistols, e do The Clash, e do Black Sabbath com Ozzy… sem um bom empresário, nem a melhor banda do mundo consegue durar mais de dois anos.)

      Entendeu? As carreiras solo de Lita Ford e Joan Jett DEPENDEM dos empresários. Eles são a eminência parda, a força oculta que faz a diferença entre o estrelato e o anonimato.

      Se Kenny Laguna ou Sharon Osbourne acharem que um retorno das Runaways seria prejudicial á carreira solo de suas “propriedades”, basta dizerem “Não” e ponto final. Lita e JJ não iam topar nem se bicar.

      Triste, mas o mundo real é cruel.

      É movido a dinheiro.

      E interesses escusos.

        Melissa de SáPostado em10:14 pm - set 5, 2012

        Sim, nesse ponto de vista é verdade mesmo, Ernesto. Sem empresário nenhuma banda dura. Mas eu ainda acho que o Kenny tem inferferência demais na carreira da Joan. Parece que ele cruza algum tipo de linha-limite de empresário, não sei.

        Essa questão da grana é foda mesmo. E não tem como escapar porque todo mundo precisa se sustentar, né?

          Ernesto RibeiroPostado em5:19 pm - set 7, 2012

          É. Aquele porra de empresário mafioso ‘don’ Laguna cruza o linha-limite entre gângster e ‘manager’.

          Tenho 100% de certeza que os grandes vilões da história a abortar a missão do retorno das Runaways foram os tubarões da indústria Kenny Laguna e Sharon Osbourne.

          É a regra do jogo: para subir na hierarquia, é preciso ser o mais canalha e inescrupuloso possível. Daí que não é até lógico que os maiores poderosos chefões do show business são os piores crápulas. Eles devoram grana e carreiras. Porque você acha que eles são chamados de tubarões?

          Qualquer dúvida, leia as autobiografias de Ozzy Osbourne e Johnny Rotten e você vai saber coisas de arrepiar.

          As pessoas precisam parar de inocência e entender de uma vez por todas essa lição do Movimento Punk: o Rock é mais uma engrenagem na gigantesca máquina da indústria do entretenimento — e essa monstruosidade fria e calculista é movida pelo combustível de todo negócio: dinheiro.

          Não é nenhuma coincidência que as duas únicas ex-Runaways que NÃO participaram da reunião da banda de 1994 foram as mesmas duas únicas ex-integrantes que têm carreiras solo de sucesso bem estabelecidas — e bem controladas com mão de ferro pelos empresários delas.

          Ernesto RibeiroPostado em5:24 pm - set 7, 2012

          É. Aquele porra de empresário mafioso ‘don’ Laguna cruza o limite entre gângster e ‘manager’.

          Tenho 100% de certeza que os grandes vilões da história a abortar a missão do retorno das Runaways foram os tubarões da indústria Kenny Laguna e Sharon Osbourne.

          É a regra do jogo: para subir na hierarquia, é preciso ser o mais canalha e inescrupuloso possível. Daí que é até lógico que os maiores poderosos chefões do show business são os piores crápulas. Eles devoram grana e carreiras. Porque você acha que eles são chamados de tubarões?

          Qualquer dúvida, leia as autobiografias de Ozzy Osbourne e Johnny Rotten e você vai saber coisas de arrepiar.

          As pessoas precisam parar de inocência e entender de uma vez por todas essa lição do Movimento Punk: o Rock é mais uma engrenagem na gigantesca máquina da indústria do entretenimento — e essa monstruosidade fria e calculista é movida pelo combustível de todo negócio: dinheiro.

          Não é nenhuma coincidência que as duas únicas ex-Runaways que NÃO participaram da reunião da banda de 1994 foram as mesmas duas únicas ex-integrantes que têm carreiras solo de sucesso bem estabelecidas — e bem controladas com mão de ferro pelos empresários delas.

Ernesto RibeiroPostado em11:33 pm - fev 19, 2012

FINALMENTE…

Quando ás baixistas:

Fox Foxy mandou bala e acertou em cheio, inclusive sobre si mesma.

Vicky não é melhor que ela — somente tocou melhor outras músicas que Fox nunca tocou.

Mas só faltou postar a VERDADEIRA razão de Vicki Blue se submeter á mudança de visual imposta por Lita:

LITA FORD NÃO ACEITOU NA BANDA OUTRA MULHER MAIS BONITA QUE ELA.

E o fato é que Vicky foi mesmo a mais bela das Runaways.

Um docinho de coco.

Pena que precisou ARRUINAR o cabelo por causa da competição com Carmelita — que continuou loira mesmo depois do fim da banda, portanto não foi só pra fazer diferença com Blue.

Como disse a sábia Jackie Fox:

“Lita era uma vaca.”

    MelissaPostado em10:21 am - fev 20, 2012

    Ernesto, eu ainda acho que Vicki tocava melhor. Acho que ela fazia linhas mais elaboradas que Jackie, pelo menos, que sempre ficava no básico DUM DUM DUM DUM. Não que Vicki fosse excepcional, mas era melhor. Por outro lado, Jackie tinha mais presença de palco, né?

    A Lita sempre foi muito competitiva. Ela competia muito com Cherie e acho que não suportou uma garota parecida com ela entrando na banda bem na hora que Cherie saiu. Pois é, ela ficou loira e mandou a Vicki mudar o cabelo pra aquele permanente horroroso. hahahaha Coitada. Mas a Lita sabe ser assustadora quando quer.

    É, o loiro da Lita foi pra chamar atenção também. E ela é uma vaca mesmo. Aquela história que a Jackie conta da Lita estragulando o pescoço dela com o fio do telefone vem bem a confirmar mesmo…

Ernesto RibeiroPostado em11:42 pm - fev 19, 2012

…ah, sim: como sabe, foi por causa de Lita Ford que as Runaways nunca mais se reuniram.

tudo culpa daquela puta.

ou como disse CC velha de guerra:

“she was just a fucking bitch.”

Juliana PiresPostado em7:04 pm - fev 21, 2012

Cherie me parece a fonte menos confiavel para falar sobre qualquer coisa da banda. Toda declaração dela me deixa com a pulga atrás da orelha.
Esse cd é um dos que eu menos ouvi, mas tem umas musicas bem legais.
Lita era competitiva com todo mundo? Sentia inveja? Algum problema ela tinha (tem). Obrigar uma pessoa a fazer permanente (argh) é um absurdo, e a Vick só deve aceitado para não criar confusão.
Eu adoro o vocal da Joan, é tão bom apesar de achar a voz da Cheri mas bonito. E o jeito como ela canta prendeu minha atenção a primeira vez que vi um clipe da banda, aquele olhar meio perdido. I love Joan Jett.
Prefiro o jeitão da Joan, do que o apelativo da Cheri, acho que o proposito das meninas não era explorar uma imagem sexualizada, mas sei que o Kim esta por tras disso.
Esses dias eu estava assistindo um seriado com a minha irmã e de repente apareceu a Lita, foi só um pontinha, mas foi legal.

Mel, esses dias eu estava me perguntando se não ia ter post novo sobre The Runaways, e aqui esta! Nada melhor para comemorar a minha NerdFolia.

    MelissaPostado em10:22 pm - fev 21, 2012

    Pois é, Ju, os depoimentos da Cherie são muito conflitantes. Cada hora ela fala uma coisa e o fato de que na época ela era mega viciada em drogas também não ajuda muito na credibilidade…

    A Lita tinha uma personalidade muito difícil na época e eu imagino que ela tenha assustado um pouco a Vicki, que na época era “nova” e nunca tinha tocado numa banda de rock séria. Acho que ela queria ser aceita pelas outras Runaways e por isso acabou cedendo, justamente pra não criar conflito, como você disse.

    Eu também gosto muito dos vocais da Joan e gosto mais ainda do fato de ela não ter aquele apelo sexual que a Cherie tinha. Quer dizer, a Joan sempre foi uma mulher linda e muito sexy, mas nunca fez isso ficar à frente da música. Eu respeito isso demais.

    Em qual seriado que a Lita apareceu?

    Que bom que gostou do post. É sempre bom ver você por aqui. 🙂

Juliana PiresPostado em2:51 pm - fev 23, 2012

Realmente fica dificil ser coerente cheia de drogas. Ainda mais alinhado com um personalidade conflitante. Cherie como vc diz sempre vai ser um drama queen.
Realmente Micki fez o que tinha que ser feito para ser aceita. No lugar dela não sei como agiria, então não tem por que julgar ela por ter aceitado essas imposições da Lita.
O nome do seriado que a Lita apareceu é Big time rush, é sobre quatro garotos que formam uma banda e se mudan de Minessota para California, é bobinha a historia mais como minha irma faz questão de assitir eu acabo assistindo junto.

    MelissaPostado em9:14 pm - fev 23, 2012

    Eu já ouvi falar nessa série, mas confesso que nunca viz.

    Quanto à Cherie, é a drama queen mor mesmo. Não tem como levar muito em consideração o que ela fala. A gente tem sempre que duvidar. Das Runaways eu confio mais nos depoimentos da Jackie e da Vicki, que nunca usaram drogas e sempre mantiveram a mesma versão dos fatos.

RaquelPostado em12:12 pm - mar 3, 2012

Realmente a história vai ficando mais “interessante” rs, fico super ansiosa com o próximo post seu, a maioria das notícias, que eu encontro é em inglês, fica meio difícil de entender, na minha opinião quando a Cherie saiu da banda, a banda se tornou outra! eu ainda gosto da formação clássica Joan,Cherie,Lita,Jackie e Sandy. para mim foi a melhor formação, bom eu gosto de Cherie e Jackie, Cherie tem uma voz incrível e Jackie tem uma voz boa também. eu acho que eu não tenho uma runaway favorita, gosto um pouco de cada uma sabe?. hehe
Bom, mas você ficou sabendo que Cherie e Lita fizeram as pazes? eu fiquei muito feliz com isso!
bom seu blog é incrível,bjos!

    MelissaPostado em4:22 pm - mar 3, 2012

    Pois é, Raquel, quase tudo sobre The Runaways está em inglês e o que está em português é quase sempre baseado no filme, ou seja, não conta a história com fidelidade.

    E sim, a banda sem Cherie é outra! Inclusive o estilo das músicas mudou. Saiu o lance mais melódico e entrou uma coisa mais crua e punk. Eu também gosto mais da formação clássica com Cherie e Jackie, acho que é o auge da banda. Live in Japan acaba sendo o disco que representa isso!

    Lita e Cherie fizeram as pazes? Sério? Onde você viu isso? Poxa, eu fico feliz também. Acho que não vale a pena viver guardando ressentimentos por conta de coisas do passado.

    Valeu! Espero te ver sempre aqui. 🙂

    MelissaPostado em1:30 pm - mar 4, 2012

    Raquel, que ótima notícia! Eu vi nesse mesmo site que a Lita se encontrou com a Joan também. Fico feliz. Nada melhor do que resolver velhas dessavenças. Eu ainda acho que elas podiam lançar um DVD com entrevistas e clipes nunca lançados (porque a Joan tem montes deles, segundo a própria).

    Valeu pelo link!

Manoela MacedoPostado em6:56 pm - mar 4, 2012

Ah, se eu disser que não gosto das performances exageradas de Currie será mentira. Eu não mudaria nada pois se houvesse mudanças não seria Runaways, mas de vez em quando me pego fazendo as dancinhas dela enquanto as ouço. Eu acho que para a idade que tinha ela era muito criativa. Mas sabemos de onde grande parte desta criatividade veio. Bowie.

O que eu acho interessante observar é que a Cherie não mudou nadinha. Faz as mesmas dancinhas, tem praticamente a mesma voz com a mesma potência, (com 15 anos quem tem uma voz forte como aquela) e continua performática, com o mesmo estilo.

Nenhuma integrante mudou. Mas há certa diferença na voz rouquinha de Joan antes e agora. Mas não conseguiria notar a diferença de Cherie cantando com 15 ou 50 anos.

Eu vi muitas fotos da Joan com a sua ”musa inspiradora” Suzi Quatro, porém acho que não vi elas tocarem juntas. Elas não cantam juntas nem agora? Depois vou dar uma procurada pra ver se acho alguma coisa. Já Cherie Currie, porquê não tocou ou tirou fotos com Bowie? Não sei muito bem sobre essas coisas…

Ah, que bom que gosta dos meus comentários. Até. 😉

    MelissaPostado em8:40 pm - mar 4, 2012

    A Cherie era mesmo muito criativa pra idade dela. Ela realmente criou um estilo próprio e tudo isso só com 15 anos. E ela realmente faz as mesmas dancinhas até hoje, né? Toda vez que vejo um vídeo de ela cantando “California Paradise” ela faz o mesmo movimento. É muito legal!

    A Lita tem uma voz idêntica à que tinha até hoje. Eu acho impressionante. A Joan é que realmente ficou rouca. De todas, acho que ela foi a que mais mudou em termos vocais mesmo.

    Eu não sei se a Joan já tocou com a Suzi Quatro. Vou procuar se tem algum vídeo. Agora a Cherie já tirou umas fotos estilo Bowie, toda pintada e talz, mas nunca vi os dois juntos.

KarinaPostado em3:21 pm - mar 17, 2012

Suas histórias estão cada dia, melhores!
eu gostaria de te perguntar uma coisa!
Como Jackie conheceu Vicki?
Parece que elas são muito amigas hj! :}
se puder me responder obg! 🙂

    MelissaPostado em5:06 pm - mar 18, 2012

    Karina, depois de sair das Runaways, Jackie foi trabalhar numa produtora/gravadora. Ela não deixou o cenário musical não. Imagino que tenha sido nessas que ela conheceu Vicki. Mas vou procurar saber dos detalhes.
    bjs

GabrielaPostado em1:19 am - maio 3, 2012

simplesmente,depois desses posts descobri que sou leiga quanto ao assunto The Runaways. Como uma fã nascida 2 décadas depois da banda, sempre procuro saber mais delas. O que eu gostaria mesmo é de ouvir um disco original delas, mas acho quase impossível ter acesso.
aguardo ansiosa por mais posts e torço do fundo do coração que elas possam se reunir para fazer um sonzinho rs

    MelissaPostado em9:22 pm - maio 3, 2012

    Oi Gabriela, infelizmente não tem muita coisa sobre Runaways em português pela internet e a gente fica mesmo boiando. Mas minha intenção é escrever sobre toda a trajetória utilizando as fontes em inglês que acho confiáveis.

    Eu também queria muito que elas reunissem, mas acho que isso não vai acontecer. Principalmente por conta da morte da Sandy.

    O que você quer dizer com um disco original? Tipo vinil mesmo?

Fernanda HugueninPostado em9:23 pm - jun 10, 2012

Oi, meus parabéns com esses posts sobre a banda, mal posso esperar por mais deles! Cheguei a procurar durante meses o documentário Edgeplay e achei mas infelizmente não tinha legenda em português.

JULIUS QUARKSPostado em2:30 am - nov 18, 2012

ÓTIMA POSTAGEM! ESPERO A PRÓXIMA!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: