Resenha de Filme: The Runaways

porMelissa de Sá

Resenha de Filme: The Runaways

Esse é um post sobre o filme. Se você estiver interessado na história da banda, clique aqui.

Os comentários em vermelho foram feitos depois que pesquisei melhor sobre a banda.

The Runaways é a celebrada primeira banda de rock formada só por garotas da década de 70.  Se você acha que não conhece, digita no youtube “Cherry Bomb” e vai perceber que sim, você já ouviu isso em algum lugar. Até porque a líder da banda era ninguém menos que Joan Jett (de “I love Rock and Roll”). Ano passado, a história desse bando de meninas de 15 anos (sim, 15 anos!) rebeldes e surtadas virou filme estrelando Kristen Stewart e Dakota Fanning, como Joan Jett e Cherrie Currie, respectivamente.

A premissa do filme é boa no início. Imagine o ano de 1975 com todo o punk rock, glam rock, caras vestidos de mulher, curtição, início da disco music. Agora imagine uma menina de 15 anos que quer ser roqueira. Imagine que essa menina veste roupas de homem, anda como homem, fala como homem, até faz xixi como homem! Agora imagina que essa menina fica de fora das bandas de rock simplesmente porque é menina. Porque com toda liberação sexual dos anos 60, mulheres no rock ainda era tabu. Simplesmente porque mulher é groupie, não é da banda.

Essa menina é Joan Jett. Que foi uma pioneira no sentido de querer ser guitarrista de uma banda de punk rock só de meninas. Ao conhecer Sandy West, baterista, as duas dão o pontapé inicial para o que seria uma verdadeira revolução musical. The Runaways era um fenômeno não só pela qualidade musical, mas porque quebrava todas as regras. Até as regras de quem quebrava as regras.

O filme captura bem o início de tudo e toda a transgressão envolvida quando elas tocavam. Era realmente se liberar. Surtar. Falar o que não podia ser dito. Ser mullher de um jeito agressivo, revoltado, beirando o violento. A atuação de Kristen Stewart (sim, a de Crepúsculo, minha gente) é sensacional. Ela É Joan Jett. Não tem condição! Não dá pra saber a diferença entre as duas. Juro que não pensei que a moça tivesse tanto talento.

No entanto, o filme se perde. As outras integrantes do Runaways não têm destaque algum e o drama pessoal de Cherrie Currie parece idiota pois o espectador não consegue sentir o que estava pesando para ela. A tensão entre a banda praticamente não aparece, fica parecendo que Cherrie é uma chata que quer ir embora no meio de toda diversão. Mas também, é complicado dizer, pois o roteiro do filme é baseado nos relatos de Cherrie Currie mas produzido por Joan Jett. Ou seja, duas visões completamente opostas sobre o que de fato aconteceu!

Jackie Fox (baixista) não autorizou que sua vida fosse retratada no filme. Então o papel de baixista ficou a cargo de uma personagem fictícia chamada Robin. Além disso a saída de Cherrie Currie se deu durante uma sessão de fotos, não uma gravação, por conta de uma briga séria com Lita Ford (guitarrista). Quem tiver interesse em saber mais dessa história, assista o filme Edgeplay – Um filme sobre The Runaways.


A cronologia do filme também é confusa. A passagem dos anos não é mostrada e nunca se tem certeza de quando e em que ordem as coisas estão acontecendo. Na minha opinião, para dar mais peso à trama, poderiam ter sido mostradas as duras críticas que a banda recebeu dentro do próprio meio do rock, predominantemente masculino e surpreendemente machista.

O ponto alto são as cenas de performance no palco. É aí que é capturada toda a essência do The Runaways, com toda aquela força de arrebentar. A preparação de Kristen nesse quesito foi boa: ela fez aulas de guitarra e realmente aprendeu a tocar as músicas. Já Dakota Fanning teve aulas de canto e performance e mandou bem de diva transgressora. Só achei que não ficou claro no filme que Marie era sua irmã gêmea. Teria dado mais impacto se fosse a mesma atriz.

No geral, é um bom filme que vale a pena ser visto, apesar de seus deslizes. Com um roteiro mais fechado e menos difuso, poderia ter sido um grande filme fazendo jus às atrizes principais e à história da banda.


Sobre o Autor

Melissa de Sá administrator

Melissa é escritora e fica hiperativa com açúcar. É autora da distopia Metrópole: Despertar, publicada pela Editora Draco em 2016, e do livro infantil A Última Tourada, adotado em centenas de escolas no Brasil. Tem contos publicados em diversas antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento.

11 Comentários até agora

O que é a verdade, o que é ser mulher e o que isso tudo tem a ver com The Runaways « Mundo de Coisas MinhasPostado em12:22 am - mar 21, 2011

[…] que também daria uma discussão longa e repetitiva. Me veio então a idéia de outro post sobre The Runaways que também seria longo e cansativo. A solução? Juntar os três temas numa coisa […]

Bruna PinheiroPostado em12:55 am - mar 21, 2011

Concordo com você que o filme não retrata muito bem a banda toda. Acho que eles aproveitaram a dupla de atrizes mais famosas (que eu adoro, por sinal) e focou demais nelas. A Kristen está ótima, fiquei impressionada. A Dakota também está linda do começo ao fim. O filme é muito mais um musical, porque as cenas das apresentações ficaram ótimas, do que os conflitos das meninas. Ainda assim, é um bom filme sobre essa banda histórica no rock’n roll!

    MelissaPostado em11:07 am - mar 21, 2011

    Sim, as atrizes ficaram ótimas nos papéis! Vale a pena por ser um filme de rock e realmente, as músicas são perfeitas! Mas a própria Joan Jett falou que o filme é uma ficção, tipo uma história alternativa. Depois de algumas pesquisas, descobri que a Jackie Fox vetou qualquer menção à sua vida no filme e Lita Ford também não autorizou muita coisa. Engraçado porque a Jett “criou” uma outra realidade sobre as Runaways mas não quis falar a verdade no documentário Edgeplay. Estranho, né?

      Ernesto RibeiroPostado em4:22 pm - set 8, 2012

      Sim e não. A atitude de JJ é estranha ao se contradizer com a imagem pública de autenticidade. Mas é fácil entender o porquê.

      O caso é o seguinte: o filme “The Runaways” foi produzido por Joan Jett — que ODEIA Lita Ford (pelas divergências musicais que provocaram o fim da banda) e BOICOTOU o documentário “Edgeplay” — que foi produzido por Jackie Fox e Vicky Blue — que BOICOTARAM o filme como vingança, gerando um processo judicial movido por JJ contra Jackie Fox — aliás, a advogada de artistas Jacqueline Füchs — que venceu nos tribunais facilmente, é claro.

      Como dizem os japoneses: “Compricado, nô?”

      Ernesto RibeiroPostado em10:02 pm - set 9, 2012

      http://www.myspace.com/jackiefuchs

      Jackie Fox:

      February 27, 2010: “As many of you know, Joan Jett’s lawsuit against me was dismissed in my favor. Thank you so much to all of you who expressed words of support. It meant a great deal to me. On a more general note, while I try to respond to everyone who emails me at least once, as I’ve previously noted here, I have fibromyalgia and typing is painful — please forgive me if I don’t respond or if I keep my responses terse. For those who don’t know me, I was the bass player in the “famous five” version of the Runaways. I’m currently an entertainment attorney, but I’ve created this space to post stories about my time in the band and the seventies rock scene in general while I still remember it. ”

Bruna PinheiroPostado em12:18 am - mar 24, 2011

Quem sabe depois que elas morrerem, encontrem “diários secretos” com a verdadeira história de Runaways. Haha. Pode ser, né? =D

    Ernesto RibeiroPostado em4:25 pm - set 8, 2012

    Vicky Blue:

    “Eu estaria mentindo se dissesse que não fui afetada pelas ações clandestinas de Joan, e suas ameaças clandestinas continuadas. Ela seriamente comprometeu o projeto do filme, e eu nunca entenderei por que ela sentiu, e ainda sente, a necessidade ser tão vingativa e com espírito tão mesquinho. E, o mais importante, por que ela esperou 4 anos para usar esta manobra suja.”

    “Para qualquer artista, as maiores bênçãos são a liberdade de expressão e a capacidade de criar. Para outra artista, especialmente uma que se beneficiou tanto dessas liberdades, o ato de embarcar ponderadamente num plano deliberado de comprometer, mexer e bloquear o direito de outra pessoa á liberdade de expressão por meio da intimidação e ameaças de processos e espancamentos — porque esse artista tem poder e recursos para isso — me deixa doente. Isso é tática de máfia, e tem tudo a ver com a gangue do subúrbio latino onde Joan cresceu e com quem sempre se envolveu.”

    “Ela tem um histórico de ações baixas como essa. Certa vez, o escritório dela chantageou um diretor de videoclipes e um compositor muito conhecido, avisando que se trabalhassem para Lita Ford, eles JAMAIS encontrariam trabalho com Jett novamente. O compositor deu pra trás, mas o diretor mandou Joan Jett se foder e rodou um video com Lita assim mesmo.”

Neon Angel – A Memoir of a Runaway: Um soco no estômago « Mundo de Coisas MinhasPostado em11:05 pm - ago 25, 2011

[…] esse livro que deu origem ao filme The Runaways. Share this:FacebookTwitterEmailLike this:LikeBe the first to like this post. Tags: biografias, […]

Feliz Aniversário, Joan Jett!!! « Mundo de Coisas MinhasPostado em11:32 pm - set 22, 2011

[…] tido uma experiência ruim com um professor que se recusava a ensiná-la a tocar rock (a cena está no filme The Runaways, em que Kristen Stwart interpreta Joan, e é uma das poucas cenas verídicas do filme), comprou um […]

#61 – The Runaways – Garotas do Rock « cinematicPostado em12:59 pm - out 1, 2011

[…] o blog Mundo de Coisinhas Minhas, onde peguei a imagem acima, a baixista original da banda, Jackie Fox, não autorizou que a […]

Crepúsculo: Amanhecer Parte 1 « Livros de FantasiaPostado em10:07 am - nov 30, 2011

[…] no filme assim como foi excelente em outros filmes que estrelou como Na Natureza Selvagem, The Runaways e Corações Perdidos. O mesmo infelizmente não pode ser dito de Robert Pattinson cujas cenas de […]

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: